segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Mataram o chefe do bando na Catalunha

Oficial. Polícia catalã abate principal suspeito do ataque nas Ramblas

Este é o suspeito do ataque nas Ramblas, Younes Abouyaaqoub
As autoridades catalãs confirmaram que o homem abatido é Younes Abouyaaqoub
Foi confirmado oficialmente que o homem abatido pelas autoridades, esta segunda-feira, em Subirats, localidade a 50 quilómetros de Barcelona, é Younes Abouyaaqoub, principal suspeito do ataque com uma carrinha nas Ramblas, na passada quinta-feira, que matou 13 pessoas.
Os Mossos d'Esquadra informaram inicialmente que havia uma operação policial em Subirats e, posteriormente, que um homem havia sido abatido. Agora, foi confirmado que se trata mesmo do jovem que era procurado pelas autoridades.

As autoridades catalãs, que têm agora helicópteros a sobrevoar a área, procuram perceber se Younes tinha algum cúmplice. Daí que os Mossos peçam às pessoas para não divulgarem imagens dos postos de controlo nas redes sociais ou qualquer outro espaço da Internet.
A polícia catalã informou que o suspeito na operação policial de Subirats tinha um cinto de explosivos e que foi abatido. Mas não indicou imediatamente se o caso tinha relação com os ataques levados a cabo na semana passada em Barcelona e Cambrils, no qual morreram 15 pessoas.
No entanto, divulgou que uma brigada de minas e armadilhas estava a verificar com o auxílio de um robô se os explosivos são autênticos. A EFE, que cita fontes da brigada antiterrorista, afirma que o cinto de explosivos que vestia o homem abatido era falso.
As autoridades montaram postos de controlos e pedem que ninguém se aproxime do local onde foi morto o homem.
As autoridades pedem que ninguém se aproxime do local onde foi abatido o homem.
O La Vanguardia, que começou por dizer que Younes Abouyaaqoub tinha sido detido em Sant Sadurní d'Anoia, a 11 quilómetros de Subirats, avança agora que foi abatido.
Ainda antes da confirmação dos Mossos d'Esquadra, o El País dizia que um cidadão terá avisado as autoridades para a presença de alguém suspeito naquela localidade. Uma patrulha ter-se-á deparado com um homem com um cinto de explosivos e terá disparado. O El Mundo, por seu lado, indicava que o homem tinha traços semelhantes aos do suspeito do ataque nas Ramblas e que foi abatido ao gritar "Ala Akbar".
Governo e polícia catalã confirmaram hoje que as buscas se concentravam em Younes Abouyaaqoub, o alegado condutor da carrinha que matou 13 pessoas nas Ramblas, artéria central de Barcelona.
"É perigoso e pode estar armado", indicaram os Mossos d'Esquadra no Twitter. A polícia catalã revelou quatro imagens deste homem e lançou um apelo à população, para que contacte as autoridades em caso de ter alguma informação que possa ajudar na investigação e na caça ao homem. Além do aviso de que o suspeito é perigoso e pode estar armado, consta a informação de que "tem aparência física normal", mede cerca de 1,80 metros, usa cabelo curto, tem pele escura e pode ter barba.
O conselheiro do Interior do governo da Catalunha afirmou que este marroquino é o autor material do ataque e que recai sobre ele um mandado internacional de busca e captura. Joaquim Forn admitiu que, apesar de não existirem indícios de que Younes Abouyaaqoub já tenha saído da Catalunha, as autoridades coordenaram-se com as forças policiais europeias e que o suspeito é atualmente procurado em toda a Europa.
As autoridades confirmaram que o suspeito fugiu das Ramblas através do mercado de la Boquería e que foi a pé até à zona universitária

Mateus é um craque.

Segunda-feira, 21 de Agosto de 2017.
Santo do dia: São Pio X, Papa; Beata Vitória Rasoamanarivo, viúva
Cor litúrgica: branco
Evangelho do dia: São Mateus 19, 16-22
Primeira leitura: Juízes 2, 11-19
Leitura do Livro dos Juízes:

Naqueles dias: 11Os filhos de Israel fizeram o que desagrada ao Senhor, servindo a deuses cananeus. 12Abandonaram o Senhor, o Deus de seus pais, que os havia tirado do Egito, e seguiram outros deuses dos povos que em torno deles habitavam, e os adoraram, provocando assim a ira do Senhor. 13Afastaram-se do Senhor, para servir a Baal e a Astarte. 14Por isso acendeu-se contra Israel a ira do Senhor, que os entregou nas mãos dos salteadores que os saqueavam, e os vendeu aos inimigos que habitavam nas redondezas. E eles não puderam resistir aos seus adversários. 15Em tudo o que desejassem empreender, a mão do Senhor estava contra eles para sua desgraça, como lhes havia dito e jurado. A sua aflição era extrema. 16Então o Senhor mandou-lhes juízes, que os livrassem das mãos dos saqueadores. 17Eles, porém, nem aos seus juízes quiseram ouvir, e continuavam a prostituir-se com outros deuses, adorando-os. Depressa se afastaram do caminho seguido por seus pais, que haviam obedecido aos mandamentos do Senhor; não procederam como eles. 18Sempre que o Senhor lhes mandava juízes, o Senhor estava com o juiz, e os livrava das mãos dos inimigos enquanto o juiz vivia, porque o Senhor se deixava comover pelos gemidos dos aflitos. 19Mas, quando o juiz morria, voltavam a cair e portavam-se pior que seus pais, seguindo outros deuses, servindo-os e adorando-os. Não desistiram de suas obras perversas nem da sua conduta obstinada.
- Palavra do Senhor
- Graças a Deus

Mas num dá uma dentro!


Ronaldo Fenômeno não aprende

Juca Kfouri





Opinião

OVOS, VIRADOS

MARLI GONÇALVES

A mais nova arma não letal que vem sendo usada aqui para expressar desagrado e beicinho é geometricamente perfeita. Não para em pé, verdade, mas seu formato, exatamente nele inspirado, o oval, é bonito e serve bem para um monte de coisas. Se fresquinhos, recém-postos, postura; se no ninho, ninhada; na panela, se vira todo.


Frágil, delicadinho, o ovo está sempre no meio das polêmicas. Já começa do princípio de sua própria existência. Quem nasceu primeiro? O ovo ou sua mãe? A galinha? A pata? Ovos de quê? A humanidade se depara com suas grandes questões. Seria a Terra oval? - perguntaram-se até os conquistadores, abrindo aí dissidência histórica com o redondo, com o quadrado, isso sem esquecer o retângulo, ou o losango e suas arestas.


Para ficar em pé precisa de suporte. Para chocar precisam ser aquecidos.


Sua geometria, contudo, faz com que, atirado, voe célere pelos ares se partindo no alvo, esparramado, esbanjando seu amarelo e branco pegajoso. Andam voando para cima de quem se apresenta fora da hora para a missão impossível que se torna a cada dia o quadro eleitoral a se definir ano que vem. Homens públicos ressuscitarão o hábito de usar elegantes e bem dobrados lenços de pano em seus bolsos. Talvez se ressuscite também o galante que o oferece a uma mulher que chore ao seu lado, ou que dele necessite que seja estendido sobre uma poça de água.


Ovo jogado dá boa foto, vira notícia. Só precisa ter bastante cuidado para carregar o armamento, que pode fazer estrago se quebrado, rompido dentro da bolsa. Aí mostra seu pequeno, mas porcalhão, potencial ofensivo. Não é bomba que estoure no colo. É arma infantil.


Por aqui o bombardeio é assim leve, embora gaste alimento tão nutritivo. Certo que ele tem fases: épocas em que é execrado, bandido, vilão, assassino silencioso. No momento, pelo menos nesse sentido, os ânimos estão apaziguados e até indicado está sendo para fortalecer o corpo, fonte de nutrientes, proteínas, e sabe-se lá mais quanta coisa que aparece a cada dia, impressionante, para elogiá-lo. Coma pelo menos um ao dia. Já apareceu quem coma mais de 30 para ficar fortinho – mas esses dizem que separam a gema – ficam só com a clara.


Do branco ou do caipira. O preço está pela hora da morte.


Cozido, frito, mexido, batido, cru, mole, duro – é dinâmico esse moço dentro da sua casquinha. E, se do limão faz-se a limonada, dele os políticos fazem um omelete quando se mostram coitadinhos indignados pela perseguição de um desses elementos dos quais tentam sempre se esquivar, e que tanto os humilham.


Ovos voam em todas as direções, vindos da esquerda e da direita. Se servissem para algo, logo viriam os que gostam de pisar no tomate. Em ovos, pisamos nós.

______________________________
Marli Gonçalves, jornalista – Precisamos rever nossas armas. Antes que o façam

Capa do jornal OEstado Ce


A Opinião de Carlos Heitor Cony

A raiz dos ódios

- Segundo os entendidos, são mais de 8.000 anos do predomínio dos homens no planeta Terra. Pelo calendário gregoriano, são 2017 anos que o cristianismo, religião dominante no Ocidente, prega a igualdade entre os seres humanos, condenando a violência, o racismo e a superioridade de uma raça sobre a outra.
Infelizmente, o atentado desta semana em Barcelona mostrou, mais uma vez, que a humanidade pode superar a brutalidade de certos animais. Nesse particular, tivemos recentemente os casos mais dolorosos da raça humana: o Holocausto nazista, a tragédia de Guernica (na própria Espanha) e os diversos atentados em várias cidades e regiões do mundo em pleno século 21.
Praticamente a cada ano uma grande cidade é devastada por criminosos que, invocando deuses e territórios, colocam a raça humana no mesmo nível dos animais ferozes. O atentado atribuído até agora ao Estado Islâmico é uma prova de que estamos longe de uma sociedade justa. O noticiário desses dias cita os detalhes da carnificina em Barcelona, que se somam às barbaridades de Londres, Nice, Estocolmo, Berlim, Paris, Bruxelas, Munique, Manchester e outras cidades que consideramos civilizadas.
Nesta semana, os atentados de Barcelona e Charlottesville, invocando a supremacia de uma raça sobre outra, demonstram que em pleno século 21 a sociedade humana não aprendeu nem quis aprender os fundamentos básicos da fraternidade que tornariam o mundo mais justo e digno.
Não adiantaram o sonho de Martin Luther King, Nelson Mandela, Mahatma Gandhi e Jesus Cristo. Com lamentável periodicidade, somos obrigados a admitir o bárbaro estágio em que ainda vivemos.
Infelizmente, o atentado em Barcelona nesta semana não será o último. A raiz dos ódios não foi extirpada dos corações humanos.

Opinião

Ex-partidos


Pedro Ladeira/Folhapress
Sessão no Congresso da comissão da reforma política, que discute alterações nas regras eleitorais
Sessão no Congresso da comissão da reforma política, que discute alterações nas regras eleitorais



Não se equivoca o deputado Guilherme Mussi (PP-SP), ao dizer que seu partido segue uma tendência internacional ao optar por mudança de nome e de qualificação.
O Partido Progressista deixará de se chamar "partido" –e alguns poderão perguntar se alguma vez chegou a sê-lo. Será, ou serão, o Progressistas, simplesmente.
Prefere-se o plural, mera menção a uma vaga semelhança de vontades individuais. Foi esse o caminho adotado, já há tempos, pelo antigo PFL, o Partido da Frente Liberal, que agora é conhecido pela denominação de DEM (os Democratas).
Internacionalmente, como bem se sabe, o espanhol Podemos (que já dispõe de homônimo no Brasil) representa um desejo de renovar os costumes políticos que se insurge contra a habitual estruturação partidária e programática.
Reflete-se ali a tentativa de manter as características mais fluidas de um movimento social, em detrimento do talvez inevitável processo de institucionalização.
É que, em toda parte, vem ocorrendo uma crise na própria ideia de representação política. Primeiro, porque os slogans e programas partidários tendem rapidamente a indiferenciar-se quando se tomam medidas econômicas em geral impopulares, mas necessárias.
Em segundo lugar, porque a fragmentação da sociedade em número cada vez maior de interesses corporativos, geracionais, regionais e culturais conflitantes torna ultrapassados os antigos fundamentos de classe e de passado histórico que davam a cada agremiação uma fisionomia inconfundível.
Tais fenômenos contribuem para explicar o que se passa no ambiente europeu. O caso brasileiro, como não podia deixar de ser, agrega particularidades que o distanciam de um esquema modelar.
A mudança no nome de partidos atende menos a novas realidades sociais e mais à tentativa oposta: a de manter os mesmos vícios sob outro rótulo. O DEM, que já foi PFL, e o PP, que será Progressistas, nasceram da antiga Arena, o partido que sustentava o regime militar, depois batizado de PDS.
Igualmente desacreditado nos dias de hoje, o PMDB cogita voltar ao nome dos remotos tempos em que era oposição: MDB, sem o enganador "partido" a pesar na sigla.
Rede e Solidariedade já constituem agremiações com semelhante característica gramatical. Não se sabe como denominar seus membros: redistas, solidários?
Quem sabe muitas legendas devessem por aqui adotar um nome único: Partido do Poder. Economizariam no marketing e nos custos, tão altos, aliás, de campanha. 

Editorial da Folha de São Paulo

Se pelando de medo.

Eliseu Padilha dribla veto a uso de aviões da FAB alegando 'segurança'


Pedro Ladeira/Folhapress
O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha
O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha
Alvo da Lava Jato e principal articulador das reformas governistas, o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, tem utilizado aeronaves da FAB (Força Aérea Brasileira) para se deslocar em fins de semana a Porto Alegre, seu reduto eleitoral e domicílio familiar.
Segundo a Folha apurou, o peemedebista, que alega motivo de segurança para justificar as viagens, tem receio de ser hostilizado em voos e aeroportos comerciais.
Neste ano, foram, até o momento, 21 voos para a capital do Rio Grande do Sul. Em apenas três deles houve detalhamento na agenda oficial de compromisso administrativo em Porto Alegre.
Na semana passada, por exemplo, ele participou de seminário promovido por uma revista especializada em política e negócios. Em março, foi a reunião entre governadores do Brasil e da Argentina.
No ano passado, viajou 12 vezes alegando motivo de segurança e, em apenas dois deslocamentos, foi detalhado compromisso oficial, como para uma palestra sobre a reforma previdenciária.
Os deslocamentos de Padilha –que é alvo de inquéritos no Supremo Tribunal Federal– por motivo de segurança começaram a ser feitos em setembro, um mês depois de o então ministro Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo) ter sido hostilizado em um avião de carreira.
Geddel, que deixou o cargo em novembro do ano passado, utilizou a aeronave com a mesma justificativa 13 vezes para ir a Salvador, seu domicílio eleitoral. Em nenhum especificou compromissos oficiais na capital baiana.
Os pedidos de aeronaves são enviados pelas assessorias de cada autoridade ao Comando da Aeronáutica, que dispõe de 13 aeronaves para transporte de autoridades. Os próprios ministérios alegam o motivo da viagem.
O decreto que regulamenta a utilização de aviões da FAB, de 2002, estabelece que podem ser utilizados por motivos de segurança, emergência médica, viagens a serviço e deslocamento para residência permanente. Em 2015, no entanto, a então presidente Dilma Rousseff suspendeu a autorização para que ministros utilizem o avião sob a justificativa de retorno ao domicílio. A decisão teve como objetivo evitar abusos.
A Comissão de Ética da Presidência emitiu, em maio, recomendação geral reforçando a orientação para que ministros evitem o meio de transporte para se deslocarem às suas cidades de origem.
A comissão enviou inclusive ofício ao Ministério Público Federal e ao TCU (Tribunal de Contas da União) para avaliar eventuais restituições aos cofres públicos, caso sejam constatadas irregularidades, mas, até o momento, não houve decisão.
O presidente da comissão de ética, Mauro Menezes, lembra que o órgão federal constatou, em um levamento dos deslocamentos de autoridades, justificativas que não eram convincentes e que procuravam disfarçar o verdadeiro propósito das viagens.
"Infelizmente, o que muitas vezes nós verificamos é que prevalece aquela tradição de que, diante de uma norma restritiva, tenta-se obter uma forma oblíqua de manter práticas em desacordo com ela", disse.
Padilha não foi o único ministro do governo a alegar motivo de segurança em suas viagens. Mendonça Filho (Educação), viajou para o Recife, seu domicílio eleitoral, duas vezes em 2016 e uma em 2017 com a mesma justificativa.
Ele fez uso das aeronaves no dia seguinte à votação do impeachment da então presidente Dilma, às vésperas das eleições municipais e em data de protestos contra o governo, em maio deste ano.
O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, alega o mesmo argumento em todos os deslocamentos que faz em aeronaves da FAB. Ele conta, inclusive, com equipe de segurança permanente. Em todas as viagens, no entanto, Meirelles discriminou compromissos oficiais na agenda.
O Gabinete de Segurança Institucional disse que foi recomendado aos três ministros para que utilizem as aeronaves oficiais, após análise de risco sobre a segurança deles.
OUTRO LADO
O ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, afirmou que faz viagens em avião da FAB por motivos de segurança e que tem, para isso, o respaldo do GSI (Gabinete de Segurança Institucional).
Padilha disse, por meio de sua assessoria, que suas viagens são autorizadas com base no decreto 4.244, de 22 de maio de 2002, que chancela a utilização das aeronaves por questão de segurança.
"Além disso, há o entendimento do GSI que justifica tal uso por motivos de segurança", escreveu a Casa Civil em nota à Folha.
Henrique Meirelles (Fazenda) e Mendonça Filho (Educação) também citaram a questão da segurança para justificar as viagens que fizeram nos aviões da FAB.
A assessoria do ministro da Educação mencionou a autorização do Gabinete de Segurança e listou episódios que, segundo a pasta, justificam o uso da aeronave oficial.
A assessoria do ministro da Fazenda disse que todas as viagens feitas por Henrique Meirelles foram a serviço.
Em nota, o ministério afirmou ainda que, como Meirelles mora em Brasília, os voos para São Paulo não podem ser contabilizados como retorno à residência do ministro.
"Além disso, a questão da segurança é uma recomendação do GSI, via decreto, porque o titular da Fazenda trata de temas sensíveis", argumentou, no comunicado, o Ministério da Fazenda.
*
CARONA AÉREA
Ministros alegam questão de segurança para usar avião da FAB

Regra
Decreto de 2002 estabelece que as aeronaves oficiais só podem ser utilizadas por motivos de segurança, emergência médica, viagens a serviço e deslocamento para residência permanente

Proibição
Em 2015, no entanto, a então presidente Dilma Rousseff suspendeu o uso do avião para o transporte de ministros para suas cidades de origem, comum nos fins de semana

Confirmação
Em maio deste ano, a Comissão de Ética da Presidência da República reforçou a orientação para que os ministros não usem o meio de transporte para seus domicílios

13
é o número de aeronaves que a Força Aérea Brasileira dispõe para transporte de autoridades

Vereadores nos bairros de Fortaleza

Câmara de Fortaleza vai ao Álvaro Weyne debater demandas do bairro

Atendendo a requerimento apresentado pela vereadora Eliana Gomes (PCdoB), a Câmara Municipal de Fortaleza realizará nesta terça-feira,amanhã, (22/08), às 19 horas, na Escola Valdemar Falcão (Rua Antônio Joaquim de Carvalho), uma audiência pública itinerante que tem como tema: “Desafios e perspectivas do Bairro Álvaro Weyne”.
Na oportunidade, serão discutidas políticas públicas de inclusão social e de melhoramento dos serviços públicos municipais ofertados à população da localidade. A atividade atende à demanda dos moradores e conta com a parceria da Associação União dos Moradores do Álvaro Weyne (UNLAW).
Estarão em discussão os principais equipamentos públicos do bairro, como a situação de escolas e creches, postos de saúde, equipamentos de assistência social e de apoio ao desenvolvimento econômico. Há carência de algumas destas unidades, assim como há o pleito da qualificação do atendimento, de acordo com os população local. O grupo apresentou ainda ao Governo do Ceará, em reunião da vereadora Eliana com Camilo Santana, a demanda de construção de uma Policlínica na comunidade.
“Algumas demandas como a limpeza urbana e o combate ao surto de chikungunya são coisas que o nosso mandato, através de pressão junto aos órgãos municipais, tem intensificado, mas é preciso também refletir nesta audiência sobre necessidades históricas destes moradores. Vamos cobrar tudo isso dos órgãos públicos do estado e do município”, destacou a vereadora.
Serviço:
Audiência Pública ­- Desafios e perspectivas do Bairro Álvaro Weyne
Terça-feira (22/08), às 19 horas
Local: na Escola Valdemar Falcão (Rua Antônio Joaquim de Carvalho – Álvaro Weyne).

Enfim,a sociedade ganha uma

TJ recua sobre extinção de comarcas no Ceará

Sem clima para aprovação, o projeto de lei que reorganiza o Judiciário do Estado passará por mudanças. Isto porque o Tribunal de Justiça do Ceará aprovou alterações ao projeto inicial que prevê a extinção de comarcas vinculadas e a transferência de unidades judiciárias de municípios com menores demandas para cidades adjacentes. As mudanças ainda serão encaminhadas à Assembleia Legislativa.
Entregue no início do julho deste ano, a proposta inicial ainda não foi lida no expediente do Legislativo estadual. O presidente da Assembleia Legislativa, Zezinho Albuquerque (PDT), na semana passada, já havia anunciado que a matéria só entraria na pauta da Casa após modificações. Ele, inclusive, explicou que buscou os desembargadores para apresentar modificações após ouvir deputados, prefeitos e o apelo do povo cearense. “O projeto será aperfeiçoado. O presidente [do Tribunal de Justiça], assim como todos nós, quer a Justiça mais rápida e eficiente”, anunciou Zezinho.
Assessoria de imprensa do Tribunal explicou que, hoje, o juiz Marcelo Roseno falará sobre o processo de alteração da matéria no Legislativo estadual.

Diálogo
Segundo o presidente da Corte, desembargador Gladyson Pontes, as mudanças se devem ao aprofundamento do diálogo com parlamentares, prefeitos, vereadores e vários setores da sociedade, de onde coletaram sugestões que foram avaliadas como aptas a aperfeiçoar o texto original. O desembargador afirmou que as mudanças foram avaliadas pelo Pleno como positivas e por isso serão incorporadas ao texto original.

“Temos ressaltado, desde o início desse processo, que as contribuições seriam muito bem-vindas. Coletamos diversas sugestões importantes, com o verdadeiro propósito de aperfeiçoar a estrutura do Judiciário estadual. Estamos assegurando a manutenção das atuais estruturas físicas e do regime de atendimento aos jurisdicionados nas comarcas vinculadas. Além disso, estamos tratando as unidades identificadas como subdemandas, promovendo agregações que elevarão os quantitativos de demanda e reforçando a estrutura onde há maior número de casos novos”, frisou ele.
Entre as principais mudanças aprovadas está a manutenção do regime de atendimento nas comarcas vinculadas, possibilitando que as atuais estruturas físicas do Judiciário sejam preservadas em todos os municípios do Estado. No projeto original, os termos judiciários, com a prestação da atividade jurisdicional, se concentraria na sede das comarcas e a criação de postos avançados de atendimento nos municípios-termo.
Pela nova proposta, o Tribunal de Justiça manterá as comarcas vinculadas e poderá determinar, em casos específicos, de acordo com critérios como a demanda e a disponibilidade de recursos humanos e materiais, a reunião dos processos na sede da comarca, regulando o protocolo de petições e documentos, atendimento ao público, expedição de certidões e os atos processuais que continuarão a ser realizados nas vinculadas.
Outra alteração se refere à quantidade de unidades transferidas, que foi reduzida de 25 para 16. Tratam-se de comarcas de Entrância Inicial que serão vinculadas a comarcas vizinhas. Além disso, serão criadas 17 unidades em comarcas que apresentam altas taxas de demanda e congestionamento.
Análise
A Ordem dos Advogados do Brasil, secção Ceará, requereu pedido para ter acesso ao novo documento e, assim, ter condições de se posicionar de forma oficial.
“O que a sociedade requer é a presença do juiz de segunda a sexta-feira no fórum, do defensor público, do promotor de Justiça, de modo que o atendimento aos jurisdicionados seja efetivo e célere. A OAB estará presente sempre que chamada a participar das principais discussões em busca de melhorias à população”, disse o presidente da Ordem, Marcelo Mota.

Sobral ganhará Programa Segunda Chance


A Secretaria do Trabalho e Desenvolvimento Econômico (STDE), da Prefeitura de Sobral, realizará, no dia 31 de agosto, às 18h30, no Auditório Vênus do Centro de Convenções, o lançamento do Projeto Segunda Chance, que será voltado para pessoas com idade superior a 35 anos que perderam o emprego e precisam se reinserir no mercado de trabalho.
Após selecionados, por meio de critérios socioeconômicos, os participantes irão aprender uma nova profissão nas áreas da construção civil, gastronomia, serviços e artesanato, seguido de capacitação em módulos onde serão abordados temas como: Orientação para o MEI, postura profissional, elaboração de currículo e empreendedorismo.
Os participantes também terão contato direto com empresários, instituições e especialistas no mercado de trabalho para que possam buscar um novo emprego ou até mesmo abrir seu próprio negócios. O diretor Industrial da Grendene, Nelson Rossi, irá proferir uma aula inaugural do Projeto.
Números
O PIB de Sobral é R$ 3.793.940.000 (IBGE 2014) sendo a quarta economia do estado perdendo apenas para Fortaleza, Maracanaú e Caucaia, na região metropolitana. As principais indústrias são a Grendene que tem sua sede nacional em Sobral, a unidade do Grupo Votorantim, produtora de cimento, A Fábrica Coelho, terceira maior produtora de massas e biscoitos do Ceará, Refrigerantes Delrio, Alumínio Sobral, fabrica de utensílios domésticos, Rações Golfinho, especializada no processamento de caroço de algodão, entre outras.

O setor primário é baseado na agricultura de feijão, milho, mandioca, algodão, banana, abacate, cana-de-açúcar e castanha de caju.; pecuária: bovino, ovino, caprino, suíno e avícola. No polo industrial de sobral situam-se 153 indústrias, destacando-se a fabricação de calçados, cosméticos, mineração, embalagens, refrigerantes e cimento, além de serviços diversos de fundição.
O extrativismo vegetal também é uma das fontes de renda e destaca-se na extração de madeiras diversas para uso como lenha, construção de cercas e fabricação de carvão vegetal. Bem como a atividade extrativa da oiticica e carnaúba.
A indústria do artesanato de redes, chapéus-de-palha e bordados também gera renda. Na mineração, destacam-se em Sobral a extração de rochas ornamentais, rochas para cantaria, brita, minério de ferro e usos diversos na construção civil, sendo a extração do minério de ferro, no Distrito de São José do Torto, que tem a maior concentração de minério da região. A empresa responsável pela extração no distrito é a Globest, que começou a operar no lugar, desde março de 2009. Como no distrito há vários locais com ocorrências do minério de ferro, outra empresa, futuramente se instalará na região do distrito. A atividade pesqueira concentra-se no rio Acaraú e nos açudes.

Coluna do blog





Pé de balcão
O saudoso Padre Antonio Vieira, o nosso, daqui mesmo da Varzea Alegre, no seu livro 100 Cortes sem Recortes, fruto do ajuntamento de crônicas que escrevia com o título de Cortes e Recortes publicou o papel da bodega no sertão brasileiro, cearense, varzealegrense. É alí que se discute a vida, da política não entendida à meizinha pra curar espinhela caída e etc. e tal. É no pé do balcão onde se cospe o grosso da cachaça da madrugada pra espantar o frio que as coisas são sabidas, informadas, digitalizadas além das opiniões sobre chuva e suas experiências. Foi na cronica do Vieira, com quem tive a honra de terçar armas etílicas no lançamento do Clube Mundial do Jumento, do qual fui sócio lá no distante 1962 que fui buscar inspiração para essas mal traçadas linhas. Remetí-me ao Vieira quando vi no noticiário o leriado de Tasso contra Aécio. Leriado 1 - O presidente interino do PSDB, senador Tasso Jereissatti (CE), disse ao presidente Michel Temer que os tucanos não vão ceder “nenhum milímetro” em sua posição de “independência” ao governo por causa de cargos. 2 -  Aécio Neves (MG), presidente licenciado do PSDB. Alvo de inquéritos no Supremo Tribunal Federal (STF), Aécio disse que, se Temer achar melhor redistribuir os espaços na equipe, isso não alterará o voto do PSDB a favor das reformas, especialmente a da Previdência. É um grande erro marcar data para desembarque do governo. É aí que a porca dá um no no rabo. Tasso de mistura. Ensinava Mãe Vovó Petroniha, A Racista, pra gente nunca se trocar com gentinha, gentalha, o que seja. Minha Santa e saudosa Mãe Maria Ferreira da Ponte completava: Quem com porcos se mistura, farelos come. Pura conversa de pé de balcão em bodega de sertão.

A frase; "Quem tem dó é piano". Amigo do escriba ao ouvir que tinha dó de Tasso.

Posse em Brasilia (Nota da foto)
Acabou de ser criado o Forum Nacional de Secretários de Meio Ambiente do Brasil. A posse da primeira diretoria será amanhã, 22, em Brasilia e o primeiro presidente, escolhido por unanimidade, é o nosso Artur Bruno.

Tá rendendo
Tem sido tão boa a frequencia nos voos da Gol, de Congonhas, São Paulo, pro aeroporto Comandannte Ariston,em Jeriquaquara que a coisa tomou corpo.

Assim...
A Gol pediu e a Anac autorizou uma segunda frequencia da aérea, agora saindo de Guarulhos, direto pra Jeri. Voos começarão dia 11 de novembro. Aviso dado.

Aliás...
A Azul, que hoje opera voo direto do Recife pro Comandante Ariston, tambem acelera seu voo de Campinas, São Paulo, pra Jeri. Aguardemos as internacionais.

Código da cidade
O vereador Acrísio Sena (PT) tem destacado a tramitação do projeto de lei complementar 0024/2016, que dispõe sobre o Código da Cidade.

Um mundo pra discutir
“Vamos aprofundar o debate sobre o Código da Cidade, que é uma lei estruturante do Plano Diretor de 2009. São 1145 artigos e 111 emendas a serem analisadas.

Tira teima
Teremos o segundo semestre para realizarmos um tira dúvidas e um debate com os 43 vereadores, técnicos e estudiosos para discutir a matéria.

Dória presidente?
Zezé de Camargo foi quem melhor definiu o voto dele pra presidente do Brasil: "Como é que eu vou dar apoio a uma pessoa que organiza desfile de cachorros?".

Assim pensa Chico Lopes
"Temer anuncia corte de 60 mil cargos, mas não inclui os que usou para conseguir votos contra a denúncia contra ele. Aumenta o arrocho contra os servidores públicos, adiando reajuste salarial e impondo teto salarial para novos servidores. Medidas que merecem o repúdio de todos os brasileiros". Do deputado federal Chico Lopes.